[encerrado] Seminário Prático

'Arte e decolonialidade: caminhos para uma educação afetiva sexual abrangente' online e gratuito. Para responsáveis, educadores, estudante e outros profissionais que atuam com adolescentes entre 13 e 17 anos. Inscrições abertas até o dia 27 de abril de 2022. Vagas Limitadas, preenchidas por seleção.



SOBRE O SEMINÁRIO PRÁTICO


O seminário prático 'Arte e decolonialidade: caminhos para uma educação afetiva sexual abrangente', pretende compartilhar experiências educativas que utilizam a arte como ferramenta comunicante e trazem um olhar e partilha de saberes e vivências decoloniais, por meio da explanação oral, imagética e experimentação das práticas.


Encontro 1 | 09/05 de 19:00 às 21:00 horas

Arte e Sexualidade: um encontro além do possível | Catarina Maruaia


Abertura do Seminário, Apresentação do Se Toque, Apresentação das artistas, Curadoria, Porque um seminário de Arte e decolonialidade: caminhos para uma educação afetiva sexual abrangente, Como serão os dias de seminário.


Conceitos e primeiras provocações. Arte - Decolonialidade - Educação Afetiva e Sexual

Experimentação de alguns disparadores que uso em aula.


Encontro 2 | 10/05 de 19:00 às 21:00 horas

Sexualidade em Camadas: investigações performáticas | Eli Nunes


Encontro que visa ampliar o olhar para as múltiplas camadas que constituem a sexualidade de seres humanos e para possibilidades artísticas decoloniais que nutrem processos educativos e de auto-conhecimento.


Gênero, Sexualidade e Expressão Artística - Educação artística de gênero -


Encontro 3 | 11/05 de 19:00 às 21:00 horas

Teatro na Quebrada: Táticas de prevenção às violências. | Michelle Sá


A partir de uma perspectiva decolonial a proposta deste encontro é compartilhar os caminhos metodológicos do Teatro na Quebrada, que é um dispositivo de apreciação teatral e educativo para pensar sexualidade, gênero e raça em contextos periféricos. Nesta oficina também vamos fazer estudos de casos levantando possíveis situações que educadores vivenciam quando então em prática de trabalho com jovens mais vulneráveis às violências sociais.


Encontro 4 | 12/05 de 19:00 às 21:00 horas

Descolonização dos afetos e não monogamia | Geni Núñez


A colonização é um processo que incidiu e incide também sobre nossas formas de lidar com as sexualidades e afetividades. Nesta oficina vamos discutir os efeitos da monogamia na limitação, vivência e expressão de desejos e práticas, bem como traçar pistas em coletivo para a construção de modos de vida mais acolhedores.



SOBRE AS MEDIADORAS


Michelle Sá

Artista de teatro, educadora social e professora de teatro. É formada no T.U (Teatro Universitário da UFMG), possui dupla licenciatura internacional (UL e UFMG), mestranda em Artes pela UFMG. Criadora do “Teatro na Quebrada” - projeto voltado para jovens periféricos. Integrante e colaboradora dos coletivos artísticos: Bacurinhas, Trupe Estrela, segundaPRETA e Coletivo Mulheres Encenadoras. Realiza o espetáculo Xabisa, espetáculo contemplado pelo prêmio Leda Maria Martins.








Eli Nunes

Arte-educadore e artista transdisciplinar. Se graduou em Dança - Licenciatura na UFMG em 2019. Integra o Coletivo NegreSer, a Academia Transliterária e o elenco do Cabaré das Divinas Tetas com sua figura Drag, conhecida como Lili Bertas. Artista negre e trans, que busca borrar fronteiras e expandir olhares, tensionando questões sociais, políticas e identitárias que são atravessadas por gênero, raça e saber popular, aspectos que direcionam seu fazer artístico.







Geni Núñez

Ativista indígena, psicóloga, mestre em Psicologia Social e doutoranda em estudos de gênero e raça. É integrante da Articulação Brasileira de Indígenas Psicólogos/as (ABIPSI) e co-assistente da Comissão Guarani Yvyrupa.







Catarina Maruaia

Artista visual e pesquisadora. Investiga o encontro entre arte, saúde e saberes populares tradicionais. Atua desde 2013 em projetos socioculturais e atualmente é especializanda em Saúde do Adolescente pela Faculdade de Medicina da UFMG. Idealizadora do Se Toque, atua como Curadora e Orientadora das atividades artísticas formativas com os adolescentes.




+ INFORMAÇÕES


Data: 09, 10, 11 e 12 de maio de 2022, de 19:00 as 21:00 horas.

Para educadores e/ou responsáveis que atuam com adolescentes (13 a 17 anos). 60% das vagas serão destinadas a educadores que trabalham com adolescentes em situação de vulnerabilidade social.


Encontros síncronos, em plataforma digital - GoogleMeet - Cadastre gratuitamente pelo site ou baixe o App GoogleMeet. As aulas serão gravadas mas não disponibilizadas.


Todas as informações e orientações de participação serão enviadas por e-mail após a seleção dos participantes que preencherão as vagas.


Atividade gratuita. Programação da 2ª Edição do Festival de Arte e Sexualidade, 2022. Corpo: território decolonial.


A presença em todos os quatro dias do Seminário Prático dá direito a certificado de participação.





Dúvidas e outras informações pelo e-mail: producao.setoque@gmail.com

Acompanhe nossa programação pelo site www.setoque.art e siga-nos nas redes sociais @setoque.art










Festival de Arte e Sexualidade - Projeto anual temático que visa incentivar e viabilizar a investigação e o estudo da sexualidade por meio da criação e experimentação poética e artística. Assim como, dar visibilidade ao trabalho artístico-cultural e intelectual acerca do corpo, sexualidade e prazer entre áreas de pesquisa e expressão diversas.


Instituto Se Toque - Instituto de arte embasado em produções colaborativas que discutem sexualidade, corpo e gênero e, promovem a interconexão de saberes. Desenvolve ações artísticas, culturais e interdisciplinares atuam na promoção da saúde das relações humanas, prevenção e estancamento das violências sexual e de gênero e no empoderamento do indivíduo.

Sexo é um pontinho de luz na noite estrelada do cerrado.        Sexualidade é o céu inteiro.                   Sexo é um pontinho de luz na noite estrelada do cerrado.        Sexualidade é o céu inteiro.